Conheça Antonio Cedraz

Desenhista baiano que se destacou com os quadrinhos infantis da Turma do Xaxado

Antonio Cedraz
Antônio Luiz Ramos Cedraz, mais conhecido por “Cedraz”, nasceu em 04 de maio de 1945 na fazenda Pau Ferro, município de Miguel Calmon e cresceu em Jacobina, onde se formou professor e começou a fazer desenhos e histórias em quadrinhos.

Com 16 anos (mais ou menos) ele viu um rapaz desenhando e pegou papel e lápis e fez um desenho. Mostrou ao rapaz (Uilson Morais) e ele começou a incentivar não parando mais. O professor foi apenas porque em Jacobina, naquela época, era o curso mais avançado que existia. Depois, foi ser bancário e mudou-se para Salvador, pois queria continuar os estudos e fazer curso superior. Como já era casado e trabalhava no banco o dia inteiro, não podia concluir os estudos e só cursou por dois anos o curso de Artes Plásticas na UFBA”.

Cedraz é um dos mais importantes quadrinhistas da Bahia, principalmente na área do quadrinho infantil, gênero que alcançou o auge das historietas cômicas nas séries Lúbio, Zé Bola, Joinha, Ana, Pipoca e agora Xaxado. Durante muitos anos Cedraz vem publicando seus trabalhos na Bahia, em outros estados e até fora do país. Ele está no mercado há mais de 40 anos, sempre batalhando, lutando para abrir espaço para os quadrinhos nacionais, mas com muita humildade. Nunca desistiu da luta, mesmo que batalhasse com dificuldades e enfrentando o todo poderoso sindicato norte americano.

É Mestre dos Quadrinhos Nacionais, título concedido pela Associação de Caricaturista e Desenhistas de São Paulo e é o criador da Turma do Xaxado, com a qual ganhou, 6 vezes, o mais importante prêmio de Histórias em Quadrinhos do Brasil: o HQ MIX, considerado o Oscar dos quadrinhos brasileiros. Cedraz tem mais de 25 livros e revistas editadas por sua editora e adotados por diversos colégios.

Turma do xaxado

xaxado hqmixPara quem ainda não conhece, é através do trabalho deste desenhista, que a cultura brasileira, particularmente a do nordeste brasileiro chega, diariamente, às mãos de milhares de leitores em todo o país, através de tirinhas em jornais e revistas, além do nosso portal. Com seus desenhos e histórias, ganhou prêmios e menções honrosas em concursos e exposições no Brasil e exterior, entre eles, o troféu como destaque no 2º Encontro Nacional de Histórias em Quadrinhos, realizado em Araxá – MG, em 1989; cinco troféus HQ MIX (ganho quatro vezes em São Paulo – melhor álbum infantil (1999 e 2001) e melhor revista infantil (2002 e 2003) , 2005 e 2007), além do Prêmio Ângelo Agostini de “Mestre do Quadrinho Nacional”. Artista plástico, formado pela UFBA, é contemporâneo de Ygaiara, Isomar, Maurício, Ziraldo, Nico Rosso, Sérgio Lima, Gedeone, Orlando Pizzi, Edmundo Rodrigues, Jayme Cortez, Flávio Colin, Shimamoto e vários outros.

O trabalho do quadrinhista baiano tem características muito próprias, diretamente ligadas aos costumes e falas nordestinos. Isso se deve, sem sombra de dúvidas, à sua origem sertaneja e à sua vivência com o campo e a natureza. Para ele, os seus personagens são a ficção que se confunde com a realidade. Com essa verve, o artista encontra no seu próprio ambiente a matéria-prima para moldar suas criações.

Da simplicidade do traço à criatividade da narrativa, Xaxado retrata a vida rural com todas as suas lendas e mistérios. São aventuras de um garoto, neto de um famoso cangaceiro que vivia com o bando de Lampião, às voltas com problemas do dia a dia, junto com seus pais e amigos. A Turma do Xaxado reune personagens tipicamente brasileiros: Seu Enoque e Dona Fulo (pais de Xaxado); o preguiçoso Zé Pequeno adora ficar deitado na rede, vendo a vida passar; a estudiosa Marieta é a radical defensora da língua portuguesa; o egoísta Arturzinho é filho de um rico fazendeiro e faz questão de deixar bem claro que nasceu “em berço esplêndido”; o sonhador Capiba é um aspirante a cantador nordestino, e a consciente Marinês é a protetora e amiga número 1 da natureza. Todo o trabalho tem um bom acabamento visual das personagens, com precisão no traço e originalidade temática. Através de um enredo fluente, falando de um cotidiano em que se misturam o real e o simbólico, o objetivo e o subjetivo, o autor constrói uma atmosfera da qual é difícil ficar alheio. Através de Xaxado penetramos no universo gráfico de Cedraz, o imaginário infantil cria asas e viaja na mente de todos nós.

Suas aventuras não se limitam a este espaço. Volta e meia estão na cidade grande ou em espaços imaginários, convivendo com muitos dos seres fantásticos que povoam a cultura brasileira – como o Saci, a Mula-sem-cabeça e o Caipora – ou em aventuras com livros encantados, anjos, monstros e muita ação. “Xaxado e seus amigos têm à sua disposição toda uma riqueza cultural que se expressa nas diferentes maneiras de se falar, nos trajes, nas danças e músicas, nas imagens do dia a dia, nos costumes, nas comidas, nas relações humanas, na arquitetura, nos jeitos de ser de cada um”, afirma.

O quadrinhista Antonio Cedraz publicou ininterruptamente no jornal A Tarde as tiras A Turma do Xaxado a partir de 1998. “Tudo começou em 1998, quando Sérgio Mattos editor do caderno Municípios, do jornal A Tarde pediu-me para fazer algumas histórias com um personagem interiorano. Levei algumas tiras de Xaxado, imediatamente aceitas e publicadas duas vezes por semana. Logo depois, o personagem migrou para a seção de quadrinhos do jornal e passou a ser publicado diariamente. Depois, vieram cartões telefônicos, revistas em quadrinhos, revistas de atividades, exposições, seis troféus HQ Mix e mais de duas dezenas de livros publicados. Muitas outras surpresas estão por vir”, conta Cedraz.

Quem quiser conhecer melhor o Xaxado e sua turma, divirta-se com as suas tiras nos jornais da cidade. E preparem-se para uma viagem ao mundo da pureza e do bom humor, típicos dos nossos conterrâneos que habitam a zona rural, com seus falares, seus tropeços lingüísticos, suas manhas e espertezas e toda aquela pujança do sertanejo que, tal qual o Cedraz, é “antes de tudo um forte”.

tiras

Quadrinhos na sala de aulaDurante dois meses, a tira da Turma do Xaxado saiu na coluna Municípios, do jornal A Tarde e, depois, passou a ser publicada diariamente no Caderno 2. As tirinhas do Xaxado já são adotadas por diversos colégios como material didático. E o álbum de tiras Turma do Xaxado volume 3 serviu de material para a monografia de Alessandra Manti na Italia. Ela se especializou em tradução pela Escola Superior de Língua Moderna para Interpretes e Tradutores, na cidade de Trieste. Alessandra traduzia a obra de Cedraz para o italiano, realizando uma análise linguística e adaptando os “brasileirismos” do idioma português para que o leitor italiano possa entender as expressões da turma de Cedraz.

“O Xaxado já saiu em vários livros didáticos das Editoras Ática, Saraiva, FTD, etc. Eu sou muito requisitado para fazer palestras em escolas e falar do nosso trabalho. É surpreendente como as escolas estão usando os quadrinhos como material de apoio didático. Atualmente tenho vários livros de quadrinhos indicados e adotados como paradidáticos em várias escolas, inclusive fora da Bahia”, informou o artista em uma das entrevistas para o site Pop Balões. Acrescentou: “O mais difícil em qualquer publicação é a distribuição. Além de ser cara, (cerca de 55 a 60% do preço de uma revista vai para a distribuição) é muito difícil uma distribuidora nacional aceitar. As grandes editoras preferem apostar num quadrinho mais conhecido ou que sai na TV”.

E encerrou: “Tenho dezenas de outros personagens mas estão todos engavetados. Minhas apostas atuais estão no Xaxado. Optei por investir numa marca só para poder me dedicar mais. Mas eu faço outros trabalhos avulsos para empresas. Tenho um estúdio ( www.estudiocedraz.com.br ) onde eu e minha equipe criamos desde um simples desenho até um revista completa com quantas páginas o cliente queira e pague”.

“O mercado de tiras no Brasil está cada vez mais restrito. Ainda é dominado pelas tiras estrangeiras, principalmente americanas. Os diretores dos jornais acham que o Brasil continua uma província dominada e que se é bom para o estrangeiro é bom para o Brasil. Essas personagens tacanhas continuam impedindo que as idéias genuinamente brasileiras prosperem e assim ficam restritos a poucos leitores. Nas tiras do Xaxado, como são feitas para jornais, procuro retratar situações que agradam mais aos adultos. As histórias das revistas são dirigidas mais para as crianças. Segundo a escritora e contadora de histórias Mabel Veloso (irmã de Caetano Veloso), a Turma do Xaxado não é só para criança inteligente, é principalmente para os adultos que estão deixando de pensar corretamente.”

Personagens da turma do Xaxado

Veja as revistas da Turma do Xaxado no site

desenho animado da Turma do Xaxado

Revistas da Turma do Xaxado

Referências:
http://www.autoreseleitores.com/autores/entrevcedraz.php
http://www.xaxado.com.br/
http://www.bigorna.net/index.php?secao=biografias&id=1121277917

1 Comentário Conheça Antonio Cedraz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Prove que você não é um robô! *