Mais dois lançamentos da Veneta neste mês: Bulldogma e Ghetto Brother

Ghetto Brother, uma lenda do Bronx (formato 19 x 26 cm, 128 páginas), por Julian Voloj e Claudia Ahlering – No início dos anos 1970, as gangues ganhavam cada vez mais adeptos

gheto-brother

Bulldogma (formato 16 x 23 cm, 320 páginas), de Wagner Willian – Terceiro álbum do autor, ganhador do Prêmio Jabuti. A obra mistura ficção científica, games, álcool, sexo e um clima de Nouvelle Vague. A história é o retrato de uma geração e da efervescente cena artística alternativa das grandes cidades brasileiras. Botecos, casas noturnas, cafés e festinhas de apartamento são os cenários desta aventura sci-fi, protagonizada por Deisy Mantovani e seu buldogue Lino.
Clique e saiba mais

Lançamento da Veneta traz os primeiros séculos da história dos quadrinhos

“O nascimento das histórias em quadrinhos” traz os primeiros séculos da história dos quadrinhos

Lançamento da Veneta traz os primeiros séculos da história dos quadrinhos

Com edição de Rogério de Campos, Imageria – O nascimento das histórias em quadrinhos (formato 23 x 30 cm, 360 páginas) traz os primeiros séculos da história dos quadrinhos, com as HQs que inventaram a narrativa visual moderna, criando a base da linguagem cinematográfica e influenciando tanto o design gráfico como a literatura. Clique e saiba mais

Lançamento da Veneta reúne HQs eróticas da época da ditadura

Além de Viva a Revolução!, de Robert Crumb, a Editora Veneta está preparando mais um lançamento.

Lançamento da Veneta reúne HQs eróticas da época da ditadura

Afrodite – Quadrinhos Eróticos (formato 15,5 x 23 cm, 112 páginas) reúne quadrinhos eróticos publicados no Brasil na década de 1970, durante um dos períodos políticos mais conturbados de nossa história.

Em 1978, em plena ditadura militar, um grupo de desenhistas e poetas reuniu-se em Curitiba/PR para produzir histórias em quadrinhos eróticas. Dentre eles, estavam quadrinhistas veteranos como Flávio Colin, Júlio Shimamoto, Claudio Seto e, nos roteiros, o casal de poetas Paulo Leminski e Alice Ruiz, que enfrentaram a censura com tramas cheias de um erotismo libertário, feminista e escandaloso. Clique e saiba mais