50 anos da Turma da Mônica: Turma do Astronauta

Conheça a história da Turma do Astronauta, personagem desenhado por Mauricio de Sousa

50 anos da Turma da Mônica: Turma do Astronauta

Astronauta é um personagem das histórias em quadrinhos de Mauricio de Sousa para tiras diárias e dominicais para o jornal Diário de São Paulo em 1963. O personagem foi criado por Mauricio dois anos após Yuri Gagarin ter se tornado o primeiro homem a fazer uma viagem espacial.

Além das tiras de jornal o personagem tem histórias publicadas em revistas da Turma da Mônica, ao contrário da Tina, Astronauta não teve título próprio com histórias inéditas, entretanto teve almanaques de republicações nas editoras Globo e Panini.
Astronauta brasileiro que viaja pelo universo em sua nave espacial esférica, assim como seu traje. Astronauta tinha uma namorada chamada Ritinha, que se cansou de esperar por sua volta e casou-se com outro. O órgão para o qual o Astronauta trabalha chama-se Brasa – Brasileiros Astronautas.
Astronauta é aventureiro e adora conhecer novos planetas, mas sofre muito com a solidão, e vive sonhando com sua família e amigos. De vez em quando ele faz algumas visitas ao nosso planeta, mas nunca se satisfaz por completo pois quem ele realmente queria ver era a Ritinha, a sua única companhia nas viagens é o seu computador.

Histórico

Mauricio de Sousa criou A Turma do Astronauta em 1963 para ser publicada como tira do jornal Diário de São Paulo, dois anos após cosmonauta russo Yuri Gagarin ter se tornado o primeiro homem a fazer uma viagem espacial. Mauricio de Sousa cita as tiras de aventura e ficção científica, Flash Gordon de Alex Raymond como uma de suas influências . Ainda nos anos 60 ganhou um livro pela Editora FTD, “O Astronauta no Planeta dos Homens Sorvetes”. Além das tiras de jornal o personagem tem histórias publicadas em revistas da Turma da Mônica (a série mais famosa do cartunista, iniciada em 1959 com a publicação das tiras do cãozinho Bidu, ao contrário da Tina, Astronauta não teve título próprio com histórias inéditas , entretanto teve almanaques de republicações nas editoras Globo e Panini.

Em 2001 foi publicado pela Editora Globo o Manual do Espaço do Astronauta contendo 240 páginas .
Em 2006, Mauricio de Sousa resolveu homenagear o primeiro astronauta brasileiro da NASA, Marcos Pontes, o quadrinista enviou uma e-mail para Marcos contendo uma ilustração do personagem parabenizando o brasileiro pelo feito. O Astronauta fez uma participação especial em Turma da Mônica Jovem #3 em Outubro de 2008 , o personagem voltou a aparecer em Turma da Mônica Jovem #6, primeira edição do arco de história O brilho de um pulsar , em Turma da Mônica Jovem, o astronauta aparece mais velho e atende pelo nome de Comandante Astronauta, no comando do Cruzador Espacial Hoshi, além do fiel amigo computador conta com a colaboração da Tenente Xabéu e do Alferes Zé Luís. Em 2009, ganhou um livro da coleção “Oi, Eu Sou” da Editora Cedic e Astronauta – O Bichinho Comilão pela Editora Melhoramentos.

Trofeu HQ Mix Em 2009, o personagem teve 7 histórias do primeiro álbum da trilogia Mauricio de Sousa por 50 artistas , idealizado pelo editor e jornalista Sidney Gusman, em homenagem aos 50 anos de carreira de Mauricio de Sousa, numa das histórias do primeiro álbum, o MSP 50, o desenhista Jean Okada, cria a história do primeiro voo espacial do Astrouta e para isso fez uma versão mais verossímil do traje espacial do herói , em outra desenhada pelo quadrinista Flávio Luiz, o personagem faz uma viagem no tempo e encontra o pré-histórico Piteco.
Em 2010 foi lançado o segundo álbum, o MSP+50, nesse álbum uma das histórias do Astronauta foi escrita por Gian Danton e ilustrada por JJ Marreiro.

Em 2010, o Astronauta serviu de inspiração para o Troféu HQ Mix.
Para o character design do Astronauta, Marreiro se inspirou em artistas dos comics como Curt Swan (conhecido pelos trabalhos em Superman) e Alex Toth (conhecido pelo trabalhos em séries de animação como Space Ghost, Space Angel e Galaxy Trio). Danton e Marreiro também se inspiraram em franquias de ficção científica como Perry Rhodan (série que chegou a ter uma fanfic escrita por Gian Danton) , Star Trek, Flash Gordon, Space Ghost, as revista em quadrinhos Planet Comics e Strange Worlds, entre outros . Gian Danton já trabalhou com ambos os artista, com Jean Okada fez a webcomic de ficção científica Exploradores do Desconhecido e roteirizou uma história da Mulher Estupenda, super-heróina criada por JJ Marreiro em homenagem a Era de Ouro dos Quadrinhos.
Em 2011, foi lançado o último álbum MSP Novos 50, nesse álbum o Astronauta protagoniza 5 histórias e participa outras como coadjuvante , uma dessas histórias foi escrita e desenhada por Aluir Amâncio, Aluir iniciou a carreira aos 12 anos de idade desenhando as tiras da Turma da Mônica para o jornal Folha de São Paulo, é apontado como um dos responsáveis pela reformulação da Tina e do design da própria da Turma da Mônica. Aluir também desenhou histórias do Superman, baseados na série de desenho animado Superman: The Animated Series, onde precisou seguir o estilo estabelecido por Bruce Timm (com quem trabalhou na produção das séries de animação da Warner Bros). Uma outra história contida no livro foi produzida pelo quadrinista paraibano Shiko, que reside na Itália.
Em Novembro do mesmo ano, durante o Festival Internacional de Quadrinhos realizado em Belo Horizonte, Sidney Gusman anunciou quem em 2012, seria lançada linha “Graphic MSP”, uma série de graphic novels, diferente dos álbuns da série MSP 50, as graphic trariam histórias fechadas contendo 72 páginas, o quadrinista Danilo Beyruth foi escolhido para criar uma história para o Astronauta, em 2009, Beyruth já havia escrito e desenhado personagens de Mauricio de Sousa, no álbum MSP+50 produziu uma história da Turma do Penadinho, Shiko também seria convidado para o projeto, sendo escalado para criar uma graphic novel do Piteco. Publicada em Outubro do ano seguinte, o álbum “Astronauta – Magnetar”, apresenta o herói como um “náufrago espacial” , o álbum ainda conta um texto do navegador brasileiro Amyr Klink , Beyruth admite ter se inspirado nos relatos de Klink, em filmes de ficção científica como Alien – O Oitavo Passageiro e 2001- Uma Odisseia no Espaço e autores como Isaac Asimov e Frank Herbert, Beyruth contou com consultoria científica do astrofísico Eduardo Cypriano. No início de 2013, o álbum venceu o 29º Prêmio Angelo Agostini na categoria lançamento e Danilo Beyruth na categoria desenhista.

Personagens

Personagens Turma do Astronauta

Astronauta (1963): Um astronauta brasileiro e herói interplanetário. Seu companheiro de viagem é um computador de bordo. Tem sua origem no interior do Brasil, numa típica fazenda, na pequena cidade de Tangará.
Integrante da BRASA – Brasileiros Astronautas – tem seu traje e nave esféricos. Seu verdadeiro nome é Astronauta Pereira.
Foi lançado em 1963, em tiras do jornal Diário de São Paulo. E em páginas dominicais, coloridas. Suas aventuras espaciais o levam para os mais distantes pontos do universo, em histórias carregadas de humor e ação.
Volta e meia retorna à Terra para matar saudades. Mas de tanto viajar, perdeu a namorada Ritinha, que se casou. O que transformou nosso herói num solitário viajante. Mas isso não o impede de continuar suas buscas por novas vidas e civilizações fora da Terra.

Ritinha: Inicialmente namorada de Astronauta, sempre presente na memória dele e nas vezes em que visitava a Terra. No entanto, não se sabe o motivo, numa série de histórias publicadas, mostra-se que Ritinha cansou de esperar Astronauta voltar de suas viagens e se casou com outro, Bonifácio, e teve um filho, fazendo Astronauta cair em depressão.

Computador: O companheiro de Astronauta é um computador de bordo, estereotipado, com uma tela com uma face humana estilizada. É ele que conversa com o Astronauta e quebra sua solidão jogando com ele partidas de xadrez.

Ditão: O grande amigo de infância do Astronauta, sempre pronto a dar boas vindas ao seu colega toda vez que ele vem à terra, e dar conselhos para a sua eterna dor de cotovelo.

NOVA VERSÃO DO ASTRONAUTA

Nova Versão do Astronauta

A história do simpático e aventureiro Astronauta, personagem das histórias da Turma da Mônica, de Maurício de Sousa, ganha um lado mais sombrio e solitário na HQ “Magnetar”, estreia da MSP nas graphic novels. Com roteiro e desenho do publicitário e quadrinista Danilo Beyruth, a HQ chega às bancas nesta sexta (26).

Beyruth, que viu sua leitura de quadrinhos mudar após conhecer “Batman – O Cavaleiro das Trevas”, descreve a história do personagem como um drama, em entrevista ao UOL. “É uma história sobre um erro cometido e um arrependimento. Não acaba em um final feliz nesse primeiro momento. Apesar de o tema ser científico, é um drama.”

Em “Magnetar”, o viajante do espaço escolhe viver sozinho e longe de Ritinha, seu primeiro amor. Por conta disso, o drama a que Danilo se refere é a solidão. “O astronauta é um cara que abandonou a família pelo novo. Essas características já existem no gibi. O Piteco e o Horácio também são personagens do Maurício que levam a esse tipo de reflexão filosófica.

O autor diz que a motivação sobre o assunto foi influenciada por seu próprio processo artístico. “A solidão é a parte que eu mais me identifico. Todo artista sente solidão no processo de criação. Isso é natural. No começo pensava que isso era uma coisa minha, mas as pessoas que leem a HQ pela primeira vez falam disso de um jeito bem emocional.”

O roteiro da trama envolvia primeiramente um buraco negro como obstáculo, que foi substituído por uma estrela sugerida por um amigo astrônomo. “A Magnetar é uma estrela em um processo de morte. Apesar de não estar explicito na HQ, a ironia é que ele está preso ao redor de uma estrela que está morrendo”, explica.

Apesar de ter assuntos ligados à ficção científica, Danilo pesquisou mais sobre a rotina dos navegadores para construir o personagem. “Já leio muito sobre física em geral. Mas fui pesquisar Almir Klink e outros navegadores que passavam muito tempo sozinhos no mar”, comenta. Danilo diz que o tema denso pode ser compreendido por todas as idades, mas “talvez não cause em uma criança o impacto que causa em um adulto”.

Nova versão do astronauta

Uniforme e cenário inspirados em “Alien” e “2001 – Uma Odisséia no Espaço”

“O uniforme clássico precisou ser adaptado porque em ‘Magnetar’ tem mais cenas de ação, por isso preferi redesenhar com o meu traço, para dar mais movimento às cenas. Mas segui a linha do Maurício”, explica o autor.

“O rosto também é meu por causa desse contato com o material dos navegantes, eles geralmente tem o rosto mais fino, nariz pontudo”, explica. “E a nave é a nave, desenhei no meu traço mesmo. Me inspirei muito no cinema, em filmes de ficção científica como “Alien” e “2001- Uma Odisseia no espaço’. No geral, as revistas têm uma base parecida, mas ganhei a liberdade de mudar bastante.”
“Graphic MSP” quer público mais velho e entrar no mercado internacional

Editor e criador da série “Graphic MSP”, Sidney Gusman explica que a ideia é “mirar no mercado adulto”. “Quero fazer que esse tipo de material chegue a mais leitores”, diz o editor. “Acho que pode virar uma tendência. Tiragens grandes, preço baixo e alta qualidade podem incentivar as pessoas a comprar”, completa Beyruth.

Revistas da Turma do Astronauta na nossa loja:

6 Comentários 50 anos da Turma da Mônica: Turma do Astronauta

  1. Silvio

    Eu estou procurando uma estória do astronauta onde ele volta à Terra e encontra a Ritinha casada e feliz. Ele olha pela janela da casa dela e a vê com a família.
    Depois ele volta ao espaço e a sua solidão.
    Obrigado pela atenção.
    Silvio

    Reply
  2. Marcio

    Queria ter acesso a uma vitória do astronauta do gibi da Mônica numero 40 acho que de 1995! Onde ele reflete sobre o tempo!…Que tempo se aplicar no espaço!

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


8 − = três