Depois de 20 anos, o Superman elétrico volta aos quadrinhos

Superman #123 traz o título “Superman…Reborn!”

superman-reborn
Em Março de 2017, veremos o vigésimo aniversário da revista Superman #123 de Dan Jurgens e Ron Frenz — e parece que elementos daquela história serão usados em Superman e na Action Comics naquele mês.
Superman #123 traz o título “Superman…Reborn!”, foi lançado em 12 de Março de 1997, onde vimos a introdução do Superman Elétrico (Azul).
Depois, em “A Noite Final”, Superman trabalhou para salvar as pessoas sem o benefício do rejuvenescimento da luz amarela do sol. Em sua missão para restaurar suas habilidades, ele tentou várias coisas e uma combinação de experimentos resultou em uma mudança em seu corpo e poder, coisa que durou por um ano. Sua pele ficou azul, ele foi forçado a usar um traje de “contenção” para manter sua energia em seu corpo, suas habilidades foram alteradas para o tipo elétrico. Em um ponto da história, ele acaba se dividindo em dois – um vermelho e um azul.
O Superman Vermelho serviu como inspiração para o uniforme de Lana Lang em Superwoman. Ao mesmo tempo, o Superman dos Novos 52 morreu, passando seus poderes para Lois Lane e Lana. Enquanto isso, o Superman Pré-Flashpoint chega ao lado de Lois e Jon Kent, assumindo o lugar de sua contraparte. Lois acabou fazendo o mesmo, quando os poderes do Superman mataram a Lois dos Novos 52.
Agora, de acordo com o Comics Beat, veremos as revistas Superman e Action Comics trazerem a história…”Superman Reborn.”
E de acordo com o último capítulo de Action Comics #976, vemos o que parece ser o Novo Superman dos Novos 52 como o Superman Vermelho e o Superman Pré-Flashpoint como o “Superman Azul,” até com energia elétrica ao redor dele.
Ainda não dá para saber onde esta história vai parar ou como irá se desenvolver, mas é interessante que eles conseguiram desenvolver um roteiro que consiga ligar tudo isso e ajudar os leitores a entender o final da história atual e de uma história de 20 anos atrás.
A Action Comics é escrita por Dan Jurgens, que foi o roteirista daquela época, além de ter sido o responsável por títulos do herói entre 1991 a 2000.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


3 × três =