Mais dois lançamentos da Veneta neste mês: Bulldogma e Ghetto Brother

Ghetto Brother, uma lenda do Bronx (formato 19 x 26 cm, 128 páginas), por Julian Voloj e Claudia Ahlering – No início dos anos 1970, as gangues ganhavam cada vez mais adeptos

gheto-brother

Bulldogma (formato 16 x 23 cm, 320 páginas), de Wagner Willian – Terceiro álbum do autor, ganhador do Prêmio Jabuti. A obra mistura ficção científica, games, álcool, sexo e um clima de Nouvelle Vague. A história é o retrato de uma geração e da efervescente cena artística alternativa das grandes cidades brasileiras. Botecos, casas noturnas, cafés e festinhas de apartamento são os cenários desta aventura sci-fi, protagonizada por Deisy Mantovani e seu buldogue Lino.

bulldogma

Deisy é ilustradora de embalagens, livros infantis e histórias em quadrinhos. Ela acaba de se mudar para um apartamento em um bairro com suspeitas de abduções alienígenas e passa seu tempo entre filmes de ficção científica, vídeos do YouTube sobre ufologia e questionamentos filosóficos sobre a realidade. Além, é claro, da busca frenética por freelas, festas e romances complicados.

gheto-brother2

Ghetto Brother, uma lenda do Bronx (formato 19 x 26 cm, 128 páginas), por Julian Voloj e Claudia Ahlering – No início dos anos 1970, as gangues ganhavam cada vez mais adeptos entre os jovens dos subúrbios nova-iorquinos em busca de proteção e diversão. O Bronx era o epicentro da ação desses grupos. Ghetto Brothers, Black Spades, Seven Immortals, Savage Skulls, dentre outras, dividiram a área do bairro entre suas zonas de atuação. Mas a crescente rivalidade e a disputa por território criaram um clima de tensão e violência.
Criados por dois irmãos porto-riquenhos, os Ghetto Brothers eram os reis do South Bronx, com seus cerca de dois mil integrantes. Quando um de seus membros, Black Benjie, foi assassinado por um integrante de uma gangue rival, o frágil equilíbrio de forças entre os grupos foi posto em xeque. E, quando todos imaginavam que uma guerra iria eclodir, Benjy Melendez, o líder dos Ghetto Brothers, convocou uma reunião com todos os líderes de gangues da cidade e fechou um histórico acordo de paz.
A violência e a rivalidade cederam espaço para o surgimento de um dos mais importantes movimentos culturais do século 20: o hip hop. Gangues viraram crews – como a Black Spades, liderada por Afrika Bambaataa, que se tornou Universal Zulu Nation.
A história de Benjy e das gangues do Bronx inspirou a criação de romances e filmes, como Warriors – Os Selvagens da Noite, e é considerada marco inicial do movimento hip hop. No texto de introdução do livro, o jornalista e crítico musical especializado em rap, Jeff Chang, explica os elos entre a pacificação promovida por Melendez e o surgimento do rap em Nova York.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


sete − = 6