Gasparzinho, o fantasminha camarada

Conheça Casper, o fantasma criado pela Harvey Comics

gasparzinho
Gasparzinho (Casper,The Friendly Ghost). O ‘Fantasminha Camarada‘ foi Criado em 1939 pela Editora Americana Harvey Comics (a mesma de Riquinho). Gasparzinho é um Fantasma diferente de todos os outros, pois sua principal intenção é fazer amizades e não assustar, como seus Tios do Trio Assombrado, que não se conformam com a postura de Gasparzinho. O principal desenhista dos quadrinhos do personagem foi Warren Kremer (1921-2003).

harvey-toonsA trajetória do Gasparzinho (Casper the Friendly Ghost) começou em 1940, com uma idéia do assistente de animação e escritor Seymour (Sy) Reitt, que idealizou um fantasma diferente do que havia até então – um fantasma camarada. Chamou um colega seu, Joe Oriolo, para dar forma ao personagem. Ambos trabalhavam nos estúdios de animação Fleischer, braço de animação da Paramount Studios, célebre estúdio responsável pelas animações de Betty Boop, Popeye e Superman. Os dois planejavam produzir o personagem na forma de um livro. Entretanto, Reitt e Oriolo foram convocados para lutar na Segunda Guerra Mundial, adiando seus planos. Quando retornaram da Guerra, descobriram que o Fleischer Studios foi fechado, mas a Paramount montou um novo braço de animação, a Famous Studios, que lançou as primeiras adaptações em desenho animado de Luluzinha e personagens licenciados, como a boneca Raggedy Ann. A dupla vendeu os direitos do personagem que haviam criado para a Famous Studios por 200 dólares, e lançou, em 1945, uma adaptação da história de Gasparzinho para desenho animado – chamada The Friendly Ghost – para sua série de animações, a Noveltoons, que, como todo desenho animado da era pré-televisão, era exibido nos cinemas antes dos filmes principais.

 

DESENHOS
O primeiro desenho de Gasparzinho foi exibido pela primeira vez em 1945.

“The Frindly Ghost”, título do desenho de estreia, dava forma a uma idéia dos animadores Seymour Reit e Joe Oriolo. Os dois imaginaram o personagem pouco antes de irem para a Segunda Guerra Mundial. Quando voltaram aos Estados Unidos, venderam o projeto à Paramount.
A animação foi feita pelo Famous Studios, da Paramount Pictures. O estúdio era o mesmo que produzia desenhos com músicas. Foi outra animação que marcou a geração que hoje tem 30, 40 anos. Uma bolinha acompanhava as palavras da canção, mostradas numa legenda, na parte de baixo da tela.
Gasparzinho ganhou outros dois filmes animados, um em 1948 e o outro um ano depois. A exibição da terceira animação coincidiu com o lançamento do fantasminha nos quadrinhos. As histórias foram criadas pela editora St. John e repetia no papel os enredos da tela. O protagonista procurava fazer amigos, mas sempre assustava involuntariamente as pessoas.
A primeira aventura, de 1949. Cansado de afugentar todos com quem conversa, o personagem tenta se suicidar, pulando de um penhasco – sim, o público-alvo eram crianças. Como é um fantasma, não morre. Mas isso o ajuda a encontrar um príncipe, de quem, enfim, fica amigo e passa a ajudar.
Em 1956, ainda nos primórdios da televisão nos Estados Unidos, Gasparzinho ganhou seu primeiro show feito para a TV, intitulado “NTA Cartoon Carnival Library“, que exibia os mesmos desenhos do Gasparzinho que tinham sido exibidos originalmente nas sessões de cinema, distribuídos pela companhia “National Telefilm Associates”, e junto com os desenhos do Gasparzinho, também eram exibidos os desenhos dos outros personagens da “Famous Studios”: Huguinho, o Bebê Gigante (Baby Huey), A Pequena Audrey (Little Audrey), Herman e Katnip (Herman and Katnip), Buzzy, o Corvo Maluco (Buzzy the Crow) e as séries animadas “Noveltoons” e “Screen Songs”, que não tinham personagens fixos. Também faziam parte desse bloco os desenhos “Luluzinha” (Little Lulu), “Gabby”, “Superman” (esses dois foram produzidos no começo da década de 40, quando o estúdio ainda se chamava “Fleischer Studios”) e a série “Puppetoons”, a primeira série com animação em stop-motion, produzida pelo gênio dos efeitos especiais George Pal.
Por volta de 1957, o personagem Gasparzinho e sua turma (incluindo o bebê Huguinho, a pequena Audrey, a dupla Herman e Katnip e o corvo Buzzy) foram adquiridos pela “Harvey Comics”, que começou a lançar uma série de histórias em quadrinho com os personagens (no Brasil, essas histórias foram publicadas originalmente pela Editora Cruzeiro e depois pela Vecchi, até o começo da década de 1980); os desenhos então ganharam uma nova “roupagem” (perdendo os títulos da “Famous Studios” e adquirindo novas “aberturinhas” feitas para a TV, com o título “Harveytoons”), sendo reexibidos dentro de um novo programa infantil que a rede de TV ABC lançou em 1959 com o título “Matty’s Funday Funnies”, patrocinado pela famosa fábrica de brinquedos Mattel Toymakers. Cada show trazia primeiro um desenho do Gasparzinho, o desenho do meio alternava entre o desenho do Huguinho, da pequena Audrey, da dupla Herman e Katnip ou do corvo Buzzy e o último desenho não tinha personagens fixos, alternando entre os desenhos das séries “Noveltoons” ou “Screen Songs”, agora chamados simplesmente de “Harveytoons”, e os da série “Screen Songs” sempre terminavam com uma canção que, enquanto era tocada, uma “bolinha puladora” ia saltando sobre as letras para que as crianças que assistiam ao desenho pudessem acompanhá-las. O show “Matty’s Funday Funnies” ganhou uma abertura, um encerramento e vinhetas que eram exibidas entre um desenho e outro, nas quais o Gasparzinho e sua turma interagiam com dois novos personagens criados especialmente para o show, um garotinho chamado Matty Mattel e sua irmãzinha Sisterbelle, que eram “marca registrada” da fábrica de brinquedos Mattel e por isso os desenhos nunca foram exibidos no Brasil nesse formato. O show estreou nos EUA em 1959 e exibiu os desenhos da turma do Gasparzinho até 1961; a partir de 1962 os mesmos foram substituídos por novos episódios da dupla “Beany e Cecil”, personagens criados pelo cartunista Bob Clampett.

Em 1963, a “Harveytoons” lançou uma nova série animada produzida exclusivamente para a TV, intitulada “The New Casper Cartoon Show” (As Novas Aventuras do Gasparzinho); nesse novo desenho, o fantasminha camarada reaparece com um visual um pouquinho mais moderno (contornado de azul) e não aparece mais sozinho em suas aventuras, e sim acompanhado pela doce bruxinha Luíza (uma bruxinha humana que era a melhor amiga do Gasparzinho e, assim como ele, também adorava fazer amigos e não gostava de assustar as pessoas ou fazer feitiços), pelo fantasminha Assombração (o primo travesso do Gasparzinho que tinha um focinho preto, usava um chapéu-coco e, ao contrário do Gasparzinho, adorava se divertir assustando as pessoas; nos quadrinhos, o personagem era conhecido como Lelo), pelo simpático cavalinho-fantasma Pesadelo e pelo Trio Fantasmagórico, um trio formado por fantasmas adultos e atrapalhados que ficavam danados da vida porque o Gasparzinho se recusava a assustar as pessoas. Todos esses novos personagens foram criados originalmente para as histórias em quadrinho que a “Harvey Comics” começou a publicar na década de 50.

casper

Em 1974, os desenhos clássicos da turma do Gasparzinho da década de 40 foram reexibidos nos EUA em um novo formato com o título “Casper the Friendly Ghost and Company”, sem os segmentos com os personagens Matty Mattel e Sisterbelle, e foi nesse formato que os desenhos chegaram à televisão brasileira pela primeira vez, junto com a série “As Novas Aventuras do Gasparzinho” de 1963, estreando pela extinta TV Tupi em 1976 com a dublagem em português feita pelo estúdio Telecine. Em 1986, foram reexibidos no mesmo formato pela também extinta TV Manchete e a última exibição com a dublagem original foi pela Globo, no Xou da Xuxa, em meados da década de 90.

Continue acompanhando a biografia do Gasparzinho na semana que vem, aqui no Blog Mania de Gibi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Prove que você não é um robô! *